Que nós vivemos na Era da Informação, todos já sabemos. Contudo, com um volume de dados tão grande circulando entre as empresas, o que fazer para assegurar a privacidade do usuário e a neutralidade da rede?

A GDPR (General Data Protection Regulation ou Regulamentação Geral de Proteção de Dados) é um dos passos mais importantes nesse sentido. A regulamentação transforma a maneira como as empresas usam, controlam e revendem as informações privadas dos usuários. 

 

 

A lei é bastante focada em grandes grupos de mídia que utilizam ferramentas para rastrear os dados dos usuários, melhorar experiências de navegação e oferecer anúncios segmentados.

 

As empresas responsáveis pelo tratamento de dados e que violarem o regulamento serão obrigadas a indenizar o usuário que tenha sofrido danos materiais ou imateriais causados pela violação.

 

Aquelas que violarem as regras do regulamento também estão sujeitas à aplicação de multas.

 

Não é preciso mencionar que, além das multas severas, sem os devidos cuidados com os dados de seus usuários, a empresa corre o risco de ter a imagem prejudicada em relação aos consumidores e aos fornecedores.

 

As mudanças trazem grandes alterações para o cotidiano das empresas, especialmente para a governança de TI e o armazenamento de dados.

 

Contar com parceiros capacitados nessa transição, portanto, é fundamental. Para fazer as devidas adequações e atender à Regulamentação Geral de Proteção de Dados, é preciso revisar algumas aplicações, ajustar arquiteturas e verificar ações ligadas ao gerenciamento de dados.